Mundo Empresarial

[Mundo Empresarial]
[Mundo Empresarial]

4 dicas para controlar o estoque de alimentos de um restaurante

[4 dicas para controlar o estoque de alimentos de um restaurante]

O serviço de entregas - delivery - têm garantido o funcionamento de bares, pizzarias e restaurantes durante a pandemia. A Rappi, empresa colombiana de entregas, já calcula um crescimento de cerca de 30% no número de pedidos na América Latina. Por isso, manter os insumos dos estabelecimentos em dia pode evitar prejuízos, diminuir despesas e aumentar os lucros durante a crise.

De acordo com Leonardo Almeida, CEO da Menu - aplicativo que abastece restaurantes conectando os principais distribuidores e indústrias do mercado foodservice com os estabelecimentos -, o controle de estoque está ligada a gestão financeira do estabelecimento. “Embora pareça ser uma tarefa básica, é muito importante, pequenos e médios comércios que não realizam um controle eficaz podem gerar impactos nas vendas e na produtividade do negócio. Devido ao isolamento social, essa organização se tornou ainda mais fundamental, evitando desperdícios e perda de dinheiro”, explica.

O especialista listou 4 dicas importantes para ajudar comerciantes com a gestão do estoque de alimentos:

1. Divida os insumos do estoque em grupos

Um restaurante lida com vários tipos de insumos. Os laticínios, por exemplo, são perecíveis e podem ser perdidos facilmente por fatores como a mudança da temperatura na qual estão refrigerados. Outros, como arroz, farinha e óleo, não exigem refrigeração e têm uma durabilidade maior. Por isso, é essencial dividir os insumos em grupos, conforme as características que você preferir. No caso de uma pizzaria, é possível separar queijo, ingredientes da massa e recheios. “Outras classificações possíveis são itens perecíveis e não perecíveis, assim como a durabilidade (curta, média ou longa), os insumos similares devem ficar fisicamente próximos uns dos outros. Isso facilita a armazenagem e organização do espaço,” comenta.

2. Use um local adequado para o armazenamento dos insumos

O local onde os alimentos são armazenados tem influência direta sobre a sua qualidade e durabilidade. Locais com alta incidência solar e infiltrações, por exemplo, aceleram o apodrecimento e o surgimento de mofo em frutas e legumes. Vale a pena investir em um espaço adequado para não ter perdas de insumos ou problemas com a vigilância sanitária. Ele não deve ter problemas estruturais, como rachaduras, alta incidência de raios solares nem muito úmido. Todos esses fatores diminuem consideravelmente a sua vida útil.

3. Reabasteça de forma inteligente

O principal benefício do reabastecimento é uma gestão melhor dos custos e evita também compras erradas ou desnecessárias. Produtos sazonais, ou seja, que vendem mais em um determinado período, devem ser adquiridos de forma inteligente e comprados com base na demanda existente. Por outro lado, é ruim ter falta de produtos e, com isso, perder vendas. Logo, dar prioridade à compra dos produtos mais populares é uma boa forma de evitar que isso aconteça.

4. Use a tecnologia a seu favor

Utilize a tecnologia para automatizar algumas das tarefas mais repetitivas e burocráticas do controle de estoque. Para aumentar a velocidade dos processos nesse setor e ter mais precisão neles, empregue um sistema informatizado que consiga assumir parte das responsabilidades dos colaboradores. No Menu, por exemplo, é possível comprar insumos direto com fornecedores e distribuidores, comparar preços e receber as entrega chegas em até 48 horas. A plataforma da startup possui uma tecnologia integrada à logística que ajuda no processamento de pedidos, até a gestão de estoque e transporte.

[Mundo Empresarial]

Por Mundo Empresarial

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Comentários