Mundo Empresarial

[Mundo Empresarial]
[Mundo Empresarial]

Fabricante de velas de Capivari ganha o mercado nacional com produtos diferenciados e de qualidade

[Fabricante de velas de Capivari ganha o mercado nacional com produtos diferenciados e de qualidade]

Antes da invenção da lâmpada, eram as velas que iluminavam as casas, palácios, igrejas. Foi através dela que, literalmente, a humanidade saiu da escuridão. Antigamente a sua fabricação era com gordura animal líquida e fibras de roupas eram usadas como pavio. Com o passar dos anos a matéria prima foi variada, e somente em meados de 1850 a glicerina veio a ser utilizada.

Atualmente as velas são usadas por nós por diversos motivos, como em momentos de devoção, em momentos de comemoração, como perfumadora de ambientes, e também são elas que nos salvam quando a luz falta em algum lugar. Em Capivari, interior de São Paulo, conhecemos o Erison Favaro, que hoje é especialista no produto, e deu vida a empresa Chama de Ouro, fabricante de vários tipos de velas.

Dentro desse mercado, a Chama de Ouro, que está localizada em Capivari, interior de São Paulo, atua e desenvolve produtos em várias vertentes, como as velas aromatizantes, carro chefe da empresa, até velas com marca própria para terceiros, atendendo supermercados e outras lojas. O foco é suprir a necessidade de vários segmentos que possam ser alcançados: “Nós focamos desde o pequeno varejo, que é uma loja de 1,99, até as grandes redes, como o Pão de Açúcar, por exemplo”, contou o empresário.

Um dos diferenciais da Chama de Ouro são os processos modernos e competentes de produção, além de uma equipe de funcionários especializada. São tamanhos, formas, cores, perfumes para todos os gostos. A qualidade é tão notável que o empresário tem como plano a possibilidade de exportação dos produtos.

Gostou? Para ver a reportagem completa, acesse https://www.youtube.com/watch?v=M0t5AtG6paU

[Amanda Roventini]

Por Amanda Roventini

Amanda é jornalista, tem 25 anos e desde 2015 faz parte do time de conteúdo do Mundo Empresarial.

Comentários